BIOMAS BRASILEIROS



VEGETAÇÃO DO BRASIL

VEGETAÇÃO DO BRASIL E SUA CLASSIFICAÇÃO

FLORESTA AMAZÔNICA OU EQUATORIAL
As elevadas temperaturas, a forte umidade do ar e a abundância de precipitações, explicam o extraordinário desenvolvimento da vegetação nas regiões equatoriais. Trata-se duma floresta muito densa, algumas vezes chamada pelos habitantes locais (principalmente na Amazônia) por «inferno verde». A vegetação é tão densa, ou seja, as plantas crescem umas por cima das outras e existe entre elas uma grande competição pela luz, pois é indispensável para a fotossíntese, que se podem considerar na floresta equatoriais vários estratos (ou andares), havendo em cada um deles determinadas espécies de plantas. Na imagem ao lado, dificilmente se imagina a altura das árvores, nem sequer dá para imaginar o modo como as plantas estão tão junto umas das outras. Contudo, o chão ainda está muito longe. As árvores da imagem têm normalmente cerca de 40 metros de altura, mas podem chegar até aos 60 metros.
-Latifoliada (folhas verdes e largas) -Perene (não perdem folhas no outono) -Megatermica (adaptam ao calor) -Estratificada (com tamanhos diferentes) -Arbórea - arbustivo - herbástico-Hidrófila (adapta à água) -Solo pouco fértil-Vegetação densa (emaranhada) -Grande biodiversidade-adapta ao relevo

CAATINGA

A caatinga é marcada pelo seu clima semi-árido, com chuvas irregulares e estações do ano pouco bem definidas. Neste bioma, o solo é rico em proteínas, porém paupérrimo em matéria orgânica, devido à intensa luminosidade e calor que carbonizam a matéria orgânica, dificultando sua decomposição. Por isso, a vegetação da caatinga é adaptada ao clima seco: as folhas de algumas plantas são finas ou inexistentes; outras espécies, como o cacto, armazenam água em seu interior. Entre algumas espécies de plantas da caatinga, podemos citar o araticum, o jatobá, o murici, a aroeira, a braúna, entre outras.
-xerófita-xeromorfica-raízes profundas-terófita-herbácea e Arbustiva-distante de rios
Localizada no sertão com clima semi-árido

CERRADO

O cerrado é a segunda maior formação vegetal do Brasil. Sua ocupação original, antes de ser devastada, ocupava uma área aproximada de 2 milhões de km², atualmente restam apenas 20% desse total. É o bioma que mais sofreu impacto devido à ocupação humana. Formado por tipos fito fisionômicos característicos de regiões tropicais: cerradão, cerrado limpo, cerrado sujo, campo rupestre, veredas e matas ciliares, abriga plantas arbóreas de aparência seca com caules retorcidos e revestidos por casca espessa, entre outras espécies de arbustos e gramíneas. O clima desse ecossistema é bem regular, caracterizado por duas estações climáticas bem definidas: verão chuvoso e inverno seco. Por esse motivo e devido à profundidade do solo e do lençol freático, o sistema radicular passou por adaptação e se desenvolveu para uma maior captação de água.
-Folhas perenes-Raízes Profundas (busca de água) -Troncos retorcidos (pra fazer sombra em si mesma) -Troncos com casca grossa (pra evitar perda de água)
Solos ricos em minerais, o que resulta no processo de laterização.

MANGUES

Os mangues correspondem a uma característica vegetativa que se apresenta em áreas costeiras, compreende uma faixa de transição entre aspectos terrestres e marinhos, esse tipo de cobertura vegetal se estabelece em lugares no qual predominam o clima tropical e subtropical. Os mangues se encontram em ambientes alagados com águas salobras, os vegetais do mangue são constituídos por raízes expostas favorecendo uma maior retirada de oxigênio e também proporcionando uma maior fixação. Essa composição vegetal é fundamental na produção de alimentos para suprir as necessidades de diversos animais marinhos. O mangue é formado por plantas com aspecto arbustivo e também arbóreo, no entanto, os manguezais não são homogêneos, uma vez que há diferenças entre eles, desse modo são classificados ou divididos em: mangue vermelho, mangue branco e mangue-siriuba.
São encontrados na foz de rios com águas salobras.Características:-Berçário Marinho-Arbórea-Raízes AéreasRegião e devastada pela carnicultura e extração de madeira
Carnicultura= Caçar caranguejo.

CAMPOS OU PAMPAS

Campos, Pampas ou Campos Sulinos são os nomes dados ao bioma encontrado na região Sul do Brasil e em partes da Argentina e Uruguai. Em áreas de transição com o domínio de araucárias, o bioma é conhecido como campos do alto da serra. A palavra “pampa” é de origem indígena e significa “região plana”. Essa é, justamente, uma das principais características desse bioma: seu relevo bastante plano.
As outras características dos Campos são: presença de uma vegetação composta por gramíneas e plantas rasteiras, além de pequenos arbustos e Matas Ciliares próximas aos leitos dos rios; clima subtropical, com temperaturas mais amenas e chuvas regulares; e solo pobre em nutrientes, com acidez excessiva.

MATA ATLÂNTICA

A Mata Atlântica ou floresta estacional semi-decidual é o bioma brasileiro mais devastado, reduzido a 7% de sua área original. Chegou a ocupar aproximadamente 15% do território nacional, estendendo-se pela faixa litorânea desde o Rio Grande do Norte ao litoral de Santa Catarina. Apesar da intensa devastação, ainda abriga uma quantidade significativa de espécies tanto de animais quanto de vegetais, compreendendo mais de 6 mil exemplares de plantas endêmicas (grande variedade de epífitas: orquídeas e briófitas), 160 espécies de mamíferos e 253 de anfíbios identificados e catalogados. Muitos dos animais brasileiros ameaçados de extinção pertencem a esse ecossistema, bastante explorado desde a época colonial. O extrato vegetal é constituído basicamente por dois patamares, sendo o mais alto formado por árvores com estatura média de 35 metros, e o inferior caracterizado pela densidade arbustiva.
Encontrada no RN ao RS e em áreas interiores do sudestecaracterísticas:-perene-Densa-Arbórea-Biodiversidade-Encostas .

MATA DOS COCAIS

Características principais da Mata dos Cocais:
- As vegetações típicas da Mata dos Cocais são: babaçu (em maior quantidade), carnaúba, oiticica e buriti.- No extrato mais baixo da mata, encontramos diversas espécies de arbustos e vegetações de pequeno porte.- As folhas das palmáceas caracterizam-se por serem grandes e finas.-Mata de encontro entre a Mata equatorial e a caatinga (ecótono).

PANTANAL
As chuvas fortes são comuns no Pantanal, que recebe uma grande influência do Rio Paraguai e seus afluentes que alagam a região, formando extensas áreas alagadiças (pântanos) e favorecendo a existência de uma rica biodiversidade. Assim, o Pantanal destaca-se pela riqueza de sua fauna, apresentando em torno de 650 espécies de aves, 80 de mamíferos, 260 de peixes e 50 de répteis. Podemos encontrar, principalmente, as seguintes espécies: jacarés, capivaras, peixes (dourado, pintado, curimbatá, pacu), ariranhas, onça-pintada, macaco-prego, veado-campeiro, lobo-guará, cervo-do-pantanal, tatu, bicho-preguiça, tamanduá, lagartos, cágados, jabutis, cobras (jibóia e sucuri) e pássaros (tucanos, jaburus, garças, papagaios, araras, emas, gaviões). Os terrenos, quase sempre planos, são alagados periodicamente por inúmeros córregos e vazantes entremeados de lagoas e leques aluviais.
MATA DAS ARAUCARIAS (PINHEIROS DO PARANÁ)
As Matas de Araucárias são encontradas na Região Sul do Brasil e nos pontos de relevo mais elevado da Região Sudeste. Existem pelo menos dezenove espécies desse tipo de vegetação das quais treze são endêmicas (existe em um lugar específico), são encontradas na Ilha Norfolk, sudeste da Austrália, Nova Guiné, Argentina, Chile e Brasil. Essa cobertura vegetal se desenvolve em regiões nas quais predomina o clima subtropical, que apresenta invernos rigorosos e verões quentes com índices pluviométricos relativamente elevados e bem distribuídos durante o ano. A araucária é um vegetal da família das coníferas que pode ser cultivado com fins ornamentais, em miniaturas. O Pinheiro-do-Paraná ou Araucária (Araucária Angustifólia) era encontrado com abundância no passado, atualmente no Brasil restaram restritas áreas preservadas. As árvores que compõem essa particular cobertura vegetal possuem altitudes que podem variar entre 25 e 50 metros e troncos com 2 metros de espessura. As sementes dessas árvores podem ser ingeridas, conhecidas como pinhão, os galhos envolvem todo o tronco central. Os fatores determinantes para o desenvolvimento dessa planta é o clima e o relevo, uma vez que ocorre principalmente em áreas de relevo mais elevado.

BRASIL - REGIÕES


Clima e Vegetação: Situado em sua maior parte em zona intertropical (entre a linha do Equador, que passa por Macapá, e o trópico de Capricórnio, que passa por São Paulo), a mais quente da Terra. Com predomínio de baixas altitudes, verificam-se no Brasil, variedades climáticas quentes, com médias superiores a 20º. São seis os tipos de variação climática encontrados em toda a extensão do território brasileiro: equatorial, tropical, tropical de altitude, tropical atlântico, semi-árido e subtropical. Apenas numa pequena porção do território, ao sul do trópico de Capricórnio, ocorre o clima subtropical, que determina baixas temperaturas durante o inverno. Nessa região observa-se com maior nitidez a passagem das estações do ano.
Clima Equatorial / Florestas Latifoliada Amazônica = clima quente e úmido, com estação seca curta ou inexistente, característica da Amazônia, determinando uma vegetação densa e heterogênea (biodiversidade).

Clima Tropical / Floresta Tropical / Cerrado = o clima tropical ocupa grande parte do território brasileiro e pode ser subdividido em: Tropical Úmido, típico do litoral oriental com temperaturas elevadas e chuvas concentradas no inverno (nordeste) e verão (sudeste). A vegetação típica é a Mata Atlântica, mas muito devastada; Tropical Semi-Úmido, no Brasil Central com duas estações bem definidas, verão úmido e inverno seco, determinando a vegetação do cerrado, com árvores esparsas e vegetais rasteiros. Na área do Pantanal surge uma vegetação complexa, dependente da pluviosidade anual; Tropical de Altitude, características das terras altas do Sudeste, apresentando temperaturas amenas e chuvas concentradas no verão. A Floresta Tropical e os campos de altitude são as vegetações mais comuns neste tipo de clima.
Semi-Árido - Caatinga = típico do polígono das secas (sertão nordestino e norte de Minas Gerais) possui temperaturas elevadas e chuvas escassas e irregulares. A vegetação típica, caatinga, possui folhas atrofiadas, raízes longas e cactáceas algumas adaptadas para alimento do gado.
Sub-Tropical Mata dos Pinhais / Pampas = predominante do sul do país, possui a maior amplitude térmica anual brasileira e chuvas bem distribuídas ao longo do ano. Nos trechos mais altos ocorre o domínio da araucária ou pinheiro-do-Paraná, vegetação aberta e homogênea, muito devastada. No extremo sul há o domínio de uma vegetação herbácea (rasteira), o pampa ou campanha gaúcha. A determinação se deve a pluviosidade melhor distribuída no planalto e mais escassa no extremo sul.
Cada tipo de clima corresponde a uma paisagem vegetal característica, com suas espécies típicas.
Relevo: É importante entender o relevo a partir dos processos que criam suas formas.
Ao longo da história da Terra, sua superfície foi sendo constantemente alterada, em virtude da ação das forças internas (tectonismo, vulcanismo) e externas (vento, água e homem). O modelado terrestre é o resultado da combinação da atuação dessas duas forças.
No Brasil, a estrutura geológica se formou há muito tempo (a maior parte há mais de 300 milhões de anos). Por isso, não existem em seu território dobramentos recentes (modernos - formados há aproximadamente 70 milhões de anos), como os Andes e o Himalaia. O relevo brasileiro é caracterizado por altitudes relativamente baixas. A quase totalidade do nosso território possui altitudes inferiores a 1.000 metros; apenas 3% estão acima de 900 metros. Isso se deve ao intenso trabalho erosivo das forças externas.
O projeto RADAMBRASIL, desenvolvido entre 1970 e 1985, mapeou todo o território brasileiro. Graças a esse projeto e uma série de estudos desenvolvidos em universidades brasileiras e em órgãos públicos, como o IBGE, constatou-se que duas formas de relevo predominam: planaltos e depressões.
As planícies ocupam áreas restritas, estendendo-se basicamente ao longo das margens dos grandes rios, das lagoas e do litoral.
"veja esses vídeos relacionados e confira as belezas do nosso brasil, mas que infelizmente está sendo degradado"!